top of page
  • Foto do escritorNael Rosa

Construtora abandona quatro obras, o que obrigará Prefeitura a abrir novos processos licitatórios

Foto: Nael Rosa

Obras de construção do Pórtico foram abandonadas pela Lupe na fase inicial

A Prefeitura de Piratini vai precisar dispor de mão de obra própria e também abrir novos processos licitatórios, para finalizar quatro obras, sendo que três delas chegou-se a concluir algumas etapas, em virtude da Prestadora de Serviços Lupe LTDA, ter abandonado as construções, deixando inclusive, funcionários sem receber seus direitos trabalhistas.


Uma das empreitadas que agora o município tenta finalizar são os 11 chalés erguidos no bairro Cancelão, que serão destinados para famílias em vulnerabilidade social, investimento para reduzir o déficit habitacional na cidade.


“Esse é o caso menos difícil de resolver e que dado as vistorias técnicas que realizamos com frequência, nos permitiu não ter grandes prejuízos financeiros, pois a Lupe abandonou a construção das moradias quando chegou a fase do acabamento, o que agora, com o nosso pessoal, estamos fazendo”, explicou o secretário de Habitação, Wilbor Pinheiro, que acrescenta: “ Não faltou fiscalização da nossa parte, tanto que, quando percebemos que o serviço apresentava deficiências na qualidade, cobramos de forma veemente, foi quando eles abandonaram o canteiro de obras”.


Dois outros casos necessitarão da abertura de novas licitações. No ginásio conhecido por esqueletão, situado aos fundos do Centro de Eventos Erni Alves, que aguarda há mais de uma década para ser concluído, a Lupe não realizou nenhuma etapa prevista no projeto. Também na Secretaria de Educação e Desporto, outro problema, como detalha o titular da pasta, Luís Fernando Torrescasana.


“Quanto à ampliação da Escola Mário Quintana, localizada no 5º Distrito, a empresa fez apenas os alicerces. Nesse caso, o que nos dá um alento, é que todos os pagamentos feitos a Lupe foram realizados até o momento que eles executaram as etapas. Desta forma, nenhum valor a mais foi pago a eles”, garante Torrescasana, informando a seguir, que as notificações pertinentes ao abandono de obra, bem como o rompimento do contrato, já foram feitas.


Por fim, a obra de construção do Pórtico na entrada de Piratini, foi outra que ficou pela metade e, como foi projetada para ficar dentro da cidade, o que desagradou parte da população, atualmente atrapalha o deslocamento de veículos que chegam ou saem do município. Esse caso é outro em que a Prefeitura precisará refazer os trâmites burocráticos que levem à contratação de outra construtora para finalizar o projeto.


Reportagem: Nael Rosa

332 visualizações

Kommentare


Modelo anúncio entre notícias2.png
Modelo anúncio entre notícias2.png
bottom of page