• Nael Rosa

Diretora da Escola Antenor se manifesta em relação a polêmica do turno integral de ensino

Foto: divulgação

A diretora da Escola Antenor Elias de Matos, situada no 3º Distrito de Piratini, Eliane Machado de Melo, foi procurada pela reportagem Eu Falei para falar sobre o movimento de algumas mães que se posicionaram contrárias ao turno integral do educandário, que tem início às 9h da manhã e se estende até às 16h.


Ela garantiu desconhecer quantas mães fazem parte do grupo de descontentes, e diz que foi procurada por apenas três delas para abordar a carga horária da pré-escola, que segundo as reclamantes, está sendo maçante para os pequenos.


A gestora disse que foi feita uma pesquisa em que ela e outras duas colegas foram de casa em casa para ouvir a comunidade rural sobre o projeto que foi implantado no retorno do ano letivo municipal, e que somente uma mãe se colocou de forma contrária à proposta.


“Em novembro do ano passado, período em que não tínhamos aulas presenciais, aproveitamos o momento da entrega das apostilas para fazer uma pesquisa, explicando o projeto e perguntando aos pais a sua opinião. Com exceção de uma, todas as demais responsáveis que se mostraram favoráveis, pois estavam preocupadas em virtude de seus filhos estarem há dois anos sem frequentar a escola. Entenderam que talvez o turno integral fosse o momento dos alunos recuperarem o conhecimento pedagógico”, explica Eliane, que admite ter cometido um erro.


“Errei e admito, pois não documentei a pesquisa. Portanto não tenho um documento assinado, pois por ser moradora da localidade, fiz de forma informal e por acreditar que ninguém teria má índole”, acrescenta.


Ela também admitiu que as mães de alunos da pré-escola e que hoje fazem parte das que não querem a continuidade do atual formato para os pequenos, não foram consultadas à época, e justifica isso dizendo que a escola ainda não estava em período de matrícula da faixa etária em questão.


“Realmente não foram consultadas, mas quando as aulas começaram tudo ocorreu normalmente até o dia 31 de março quando realizamos na escola uma reunião com o pessoal do Instituto Inovação que faz um trabalho junto à Prefeitura de Piratini. Ao final do evento, algumas mães questionaram o turno integral e ouviram do secretário de Educação que essa é uma meta do governo a ser implementada em todas as escolas até o final de 2024. Não conformadas, elas saíram da reunião e montaram um grupo de WhatsApp”, recorda.


Ela encerrou dizendo que sabe que existe um movimento contra o atual projeto, mas que da mesma forma há um movimento a favor do turno integral e que ela enquanto professora e diretora é favorável a sua continuidade.


“Eu sou a favor, o defendo e acredito nele. Respeito às opiniões contrárias e sei que o Círculo de Pais e Mestres está dividido com relação ao assunto, assim, para a próxima segunda-feira (11) convoquei uma reunião onde estarão além do prefeito e do secretário de Educação, também os pais. Todos poderão falar sobre o assunto e dar suas opiniões em um debate saudável onde todos os pontos de vista serão ouvidos”, conclui.


Reportagem: Nael Rosa

Contato: 9-99502191

Email: naelrosaeufalei@gmail.com

564 visualizações
Modelo anúncio entre notícias2.png
Modelo anúncio entre notícias2.png