• Nael Rosa

Comunidade escolar da Escola Adão Pretto se mobiliza contra a falta de transporte escolar

Foto: divulgação

Pais, direção e professores estiveram reunidos com o prefeito Márcio Porto (MDB)

A comunidade escolar da escola Adão Preto, situada do 5º Distrito de Piratini e que oferta o ensino médio para parte dos alunos que residem na zona rural do município, deu início na segunda-feira (18) a uma mobilização contra a falta de transporte que é de responsabilidade do estado.


Conforme o diretor do educandário, Gabriel Barcelos Nunes, os estudantes continuam tendo aulas remotas mesmo com a autorização para as atividades presenciais a partir de 21 de fevereiro deste ano, data do retorno do ano letivo.


“Decidimos nos reunir porque o estado não tem cumprido sua obrigação. Buscamos as forças vivas do município, como o prefeito e os vereadores, e obtivemos apoio inclusive para recorrer ao Ministério Público. De agora em diante estamos mobilizados para ações futuras para que o transporte escolar seja retomado o mais rápido possível”, assegurou Nunes.


Ele destaca que mesmo o município não tendo esta obrigação, respeita, mas discorda do rompimento do contrato por parte da prefeitura que até então ofertava o serviço, distrato que ocorreu em dezembro do ano passado.


“O prefeito Márcio Porto nos apresentou os números que motivaram o rompimento do contrato. Respeitamos, mas entendemos que a Prefeitura deveria ter mantido o serviço um pouco mais”, opina o diretor, que ressalta o apoio do prefeito à mobilização, tanto que o município deverá disponibilizar o transporte para que os protestantes possam se deslocar até Porto Alegre para pressionar a Secretaria Estadual de Educação.


O gestor da Adão Pretto salienta que os dois anos em que os alunos ficaram apenas com ensino remoto são compreensíveis por causa da pandemia, mas que a manutenção desse formato de ensino tem aumentado os prejuízos no tocante à aprendizagem, afinal a educação também aos aprendizes que residem no campo é um direito assegurado.


“Eles (alunos), têm direito de acessarem a escola de forma presencial e o estado é quem tem esse dever. Portanto, estamos somando forças para darmos resolução a esta problemática”.

Nunes finaliza dizendo entender que, após um longo período impossibilitados de frequentar o colégio, esse é o momento dos estudantes recuperarem o aprendizado, o que não é possível no formato ainda utilizado.


“O ensino remoto tem suas dificuldades, como por exemplo, o sinal de internet que na área rural é deficitário. A aula virtual não tem a mesma qualidade, assim, eu como educador, percebo que frequentar o colégio e estar junto com os professores e colegas gera um brilho no olhar do aluno que somente o presencial proporciona”, conclui.


Reportagem: Nael Rosa

Contato: 9-9950291

Email: naelrosaeufalei@gmail.com

245 visualizações
Modelo anúncio entre notícias2.png
Modelo anúncio entre notícias2.png